Selvagem

        Mal o sentimento pôs o primeiro pé pra dentro de casa e ele já foi estendendo as cortinas da sala, arrumando as almofadas e alinhando os papéis de cima da mesa de centro. “Senta aqui coração” disse enquanto dava dois tapinhas no sofá. O sentimento ali parado na porta, e ele esticando a camisa, tirou a gravata, passou a mão pelo cabelo, tirou o óculos e começou a limpar as lentes.
“Pode entrar, vou ligar a tv.” e saiu ligeiro a procura do controle remoto abrindo umas gavetas, encontrou um livro numa delas que logo pôs na estante no meio de outros livros.
Agora olhava de um jeito amável para o sofá com um leve sorriso desenhado em seu rosto que logo foi sumindo a medida que se agachava devagar, e com muito cuidado, retirou um fio de cabelo de cima do estofado. Saiu para outro recinto segurando o fio a frente do corpo, abriu a lixeira e o largou ali, batendo uma palma da mão na outro como se houvesse restos de sujeira pra cair no lixo.
        Sorriu para o sentimento, e este retribuiu dando um passo para trás com um olhar amedrontado.
“Não se vá!”. Tarde demais. Ele já havia batido a porta e fugido pra longe daquela casa arrumada.

Anúncios

Deixe aqui um comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s